[Resenha] Todas as Estrelas do Céu, Enderson Rafael

26 comentário(s)

Autor: Enderson Rafael
Editora: Editora Novas Ideias
Páginas: 160
ISBN: 9788560284177 

Adicione no skoob: aqui.

Conheça o blog do autor: 

Comprar: Saraiva (R$29,90)

Sinopse: Podem dois irmãos adotivos se apaixonarem um pelo outro?
Caroline e Leandro são dois adolescentes de uma bem resolvida família de classe média, ele adotado, ela filha biológica do casal Marco e Lúcia. Diante dos conflitos da adolescência, do colégio, do vestibular, ambos se vêem diante de mais um dilema: um amor impossível e todas as consequências da busca pela felicidade ao lado da pessoa amada. O desafio dos dois em entenderem o que passa consigo mesmo, em enfrentar os pais, a sociedade e sua própia consciência é exposta neste romance honesto, ágil e de final surpreendente.
"Todas as estrelas do céu". Uma obra polêmica e doce ao mesmo tempo, com um tema inusitado, falado de igual para igual com os jovens ou mesmo para quem já passou da adolescência.

Todas as Estrelas do Céu, livro de estreia de Enderson Rafael, conta-nos a história de amor entre Carol e Leandro. Os dois são jovens e sentem aquela paixão quase platônica um pelo outro, mas têm de viver secretamente esse romance, pois por ironia do destino eles são irmãos adotivos.

- [...]não me parece certo me apaixonar pelo meu irmão mais velho. É como se eu estivesse amando a pessoa errada, não que eu não te queira, lógico que eu quero, mas parece que eu não deveria te amar e que esse amor é,  sei lá, amaldiçoado...

- Minha irmã, minha amada, meu anjo: nenhum amor é amaldiçoado, esta é justamente a face mais perfeita do imperfeito ser humano [...]
Pág. 61


Eu nunca havia lido nada com este tema e por mera coincidência acabei lendo dois livros seguidos hehe

Primeiro foi Amor No Ninho, da Maribell Azevedo (resenha aqui) e agora Todas As Estrelas do Céu.

A diferença entre os dois é que no livro da Maribell havia uma família já formada, que tinham 03 crianças e adotaram uma quarta (que contava com 08 anos de idade) e no do Enderson, o primeiro filho do casal foi a criança adotada, depois vieram as duas filhas. 

Vou confessar que a leitura foi um pouco mais complicada devido a esse fato, e sim, o preconceito existe.. venci uma barreira grande lendo "Todas" e acho que aprendi a não julgar tanto as outras pessoas e suas escolhas, pois muitas vezes nem escolha elas têm, afinal das contas dá para escolher quem amar? Com toda certeza: não.

O livro é um romance adolescente, escrito pelo Enderson quando ele contava com 19 anos de idade, então a linguagem é bem simples. No meu ponto de vista (como leitora e não crítica literária porque nem formação para isso eu tenho) a escrita chega a ser um pouco imatura; veja bem, o tema é interessante e a ideia também, mas o desenvolvimento da estória me pareceu superficial. Porém como eu disse o livro é um romance adolescente, e no prólogo, escrito em 2000, o próprio Enderson fala: " "Todas" é um romance adolescente, e portanto, equivocado, imperfeito por vezes incoerente. Para um adulto.", talvez um adolescente em seus 13/14 anos goste livro e não tenha a mesma impressão que tive. 

Apesar disso é uma leitura que vale a pena, pois abre sua mente, expande seus horizontes, fazendo com que você veja o amor por um outro ângulo e torça para que dê certo.

Ainda este ano o Enderson lançará pela Ed. Gutenberg sua nova obra: Três Céus (que não é continuação deste). Estou bem curiosa para ler e descobrir como estará a escrita dele depois de tantos anos ;)

Sucesso Enderson!



Eu e o Enderson :D

26 comentários:

ALINE T.K.M. disse...

O tema desse livro me parece muito interessante e traz inúmeras possibilidades, eu imagino. É um livro que, tanto pelo enredo, como também pelas tantas resenhas positivas, tenho vontade de ler há muitos meses já. E legal saber que haverá lançamento do autor!

Bj
escrevendoloucamente.blogspot.com

Tullia Maria disse...

Verdade, Rapha! Tema complicado, né? Mas quem manda no amor?
Eu gostei do enredo!! Vou colocar na minha lista...
Livro novo?? Opa... Curiosa!!
Beijo!! Adoro como você escreve! :)

Contando Histórias disse...

Já tinha ouvido falar sobre "Amor no Ninho" e não vou negar que não fui logo de cara com essa história de amor de irmãos. Porém, conforme fui vendo as resenhas, fiquei com vontade de ler, a cargo de curiosidade (: Todas as estrelas do céu me parece bem legal. Com certeza vai dar pra perceber a evolução do autor.
Ótima resenha.
Isabela.

Cássia Drobev disse...

Oi amiga parceira amei sua resenha,já coloquei seu banner no mue blog a um tempinho mas só tive tempo de passar hoje,amo seu trabalho,muito sucesso e parabéns!!!

LEITURAS APAIXONANTES

CÁSSIA DROBEV

Thais Priscilla disse...

Eu achei o livro uma gracinha. Perfeito, do começo ao fim.

Beijinhos,
Thais Priscilla
http://thaypriscilla.blogspot.com

Nathy Miranda disse...

Oi Rapha, tudo bem?

Eu gosto quando um livro nos surpreende não pela escrita mas pelo que pode passar, nos faz refletir.
E realmente deve ser interessante comprar a escrita o autor depois de muito tempo.

Beijos!
http://www.natocacomacoruja.com

Rafaelle Vieira disse...

Olá Rapha! Ainda não conhecia esse livro, mas o tema da história é muito interessante, fiquei bem curiosa até mesmo para conhecer a escrita do autor. Já coloquei na lista de compras! :D
Adorei a resenha.
Beijos.

Rafa{Fascinada por Histórias}

Tefinha disse...

Eu vi a entrevista que a Lycia Barros fez com o Enderson Rafael e achei ele uma simpatia! Fiquei morrendo de vontade de ler o livro dele, mesmo sem saber do que se tratava. Agora eu sei hihi.

Tefinha (http://aminhadimensao.blogspot.com/)

Vanessa Vieira disse...

Parabéns pela resenha Rapha! Estou ansiosa para ler Todas as Estrelas do Céu! Beijos!

Alquimia dos Romances disse...

Que grande oportunidade esse "menino" teve. Poder ter a chance de comparar suas fases como escritor também deve ser um privilégio. Parabèns Rapha...

Canto e Conto disse...

Oi Rapha ^^
Uau, que resenha sincera, flor =)
Ainda assim sou apaixonada pela história dos dois. Eu vejo Marina Rui Barbosa fazendo o papel de Carol, no cinema. Já Leandro, não consigo imaginar. Mas gostaria de ver esse romance em filme também =)

Eu gostei muito do livro, apesar dos mesmos pontos que você ressaltou, e também estou querendo ler Três Céus, assim que a Gutemberg lançar. Ver o que mudou, depois desses anos o/
Beijos lindona

This
Canto e Conto

Lilo disse...

Oieee Rafha como vai?
Poxa a história éeeee bem diferente mesmo do que a gente tá acostumado a ver por aí. Parece forte e bem... Bem... Nem sei, só lendo. Quanto a escrita, realmente quando somos mais jovens falta maturidade pra saber expressar no papel tudo o que a gente pensa... Ainda mais no primeiro livro. Eu tenho essa impressão quanto ao Redenção... mas enfim...
Parabéns pela resenha e muito sucesso pra vc e pro autor.
Beijos
Lilo
Redenção, já em pré-venda

Srt . Vasconcelos disse...

Olá Rafa.
Bom, achei o tema do livro interessantíssimo.
Apesar de gostar mais de literatura clássica, achei muito interessante.
Lerei sua resenha do outro livro do mesmo tema, já que você diz ter achado exagerado o desenvolvimento da historia.

Seguindo você.

Blake disse...

Gostei bastante da resenha pela sinceridade.
É a segunda que leio desse livro, mas a estória dele continua não me cativando.
BjO

Mariana Ribeiro disse...

Olá, Rapha!
Estou dois para ler este livro do Ende!! Espero ter uma ótima opinião a respeito também assim que eu tiver a oportunidade de ler. Acho que temáticas como essa nos fazem refletir, não importa se isso gere tabu ou controvérsias na sociedade.
Também vou querer ler Três Céus, a continuação que será lançada pela Gutenberg.
Adorei a sua resenha!
Bjos.

Mariana Ribeiro
Confissões Literárias.

Leeh disse...

Eu também NUNCA li um livro com esse tema, mas nossa, apesar de tudo, já vi muita gente falando bem desse livro e quero MUITO ler. Adoro esses livros que expõe nossos preconceitos e nos fazem rever nossos conceitos de certas coisas. E realmente, não dá pra escolher quem nós amamos. É como amar um primo - o que é um tanto quanto comum, convenhamos. A coisa mais perto desse tipo de livro que já li, foi o da Babi Lorentz, O Que Há Por Trás. Muito bom!
Enfim, adoreeei a resenha *-* Quero muito ler <3

Enderson Rafael disse...

Oi, Rapha! Oi pessoas queridas! Então, essa questão da maturidade na escrita é realmente um barato. Quando assinei o contrato do "Todas as estrelas do céu", o meu próximo romance, "Três Céus" havia acabado de ser escrito. E claro que eu ponderei "mas poxa, minha escrita agora está tão mais madura e talz, pq não publico direto meu livro novo?", mas acontece que apesar do "Todas" ter suas deficiências técnicas, ele tem um gancho perfeito, um argumento muito interessante, e seria uma maldade deixá-lo na gaveta. Meu editor até pediu pra que eu fizesse um ou dois novos capítulos no começo, justamente pra que a história de Lê e Carol não começasse tão subitamente e conhecêssemos um pouco da vida deles antes do amor nascer (mtos leitores sentem falta disso). Mas eu não quis, porque dez anos (intercalados por dois roteiros de longa pra cinema, dois livros sobre temas distintos e um romance, além de uma carreira de anos como redator publicitário) haviam mudado muito meu estilo, e as pessoas perceberiam que aquilo era um retalho. Eu não quis, porque achei o "Todas" o retrato perfeito do que eu era com 19 anos, e de como eu via o mundo. Mesmo após as 6 ou 7 revisões pelas quais o livro passou na década entre ser escrito e ser publicado, mudamos menos de 2% das palavras, pra manter ao máximo sua autenticidade. Mas valeu a pena, além de atingirmos um público mais jovem do que o foco dos próximos livros, e com isso criarmos um share pros livros seguintes que não haveria sem o "Todas", preservamos este que pra mim é o maior trunfo dele: falar de igual pra igual com os adolescentes, embora de um tema sério e com cenas e atitudes fortes. E sim, enquanto no "Todas" eu escrevia muito naturalmente, sem me dar conta de que dava uma lição ali ou chamava pruma reflexão acolá, em "Três Céus" as coisas são mais propositais. Os risos, lágrimas, revoltas, sustos e alegrias que vcs terão durante a leitura foram muito mais pensados, preparados. E assim é a vida de escritor. O dia que eu achar que meu livro anterior é melhor que o meu atual, é hora de largar o atual e começar outro. E eu garanto, o meu seguinte ao "Três Céus", que estou acabando de escrever e será em primeira pessoa, é ainda melhor! Um beijo enorme e desculpem-me pelo comment gigante! Mas eu sou meio prolixo na escrita mesmo hahaha

Enderson Rafael disse...

Oi, Rapha! oi, pessoas!
Bom, esse tema da imaturidade da escrita do "Todas" é um dos trunfos do livro, quase um "defeito bom". Na época em que assinei o contrato para sua publicação, "Três Céus" já estava pronto, e claro que ponderei "mas poxa, minha escrita agora está tão mais madura e talz, pq não publicar logo o livro novo?" mas acontece que o gancho, o argumento do "Todas" é mto forte, e seria uma maldade deixá-lo na gaveta. Na época, meu editor pediu até que eu escrevesse dois capítulos antes de o amor de Lê e Carol acontecer, pro público sacar como eles eram vivendo como irmãos (uma coisa que mtos leitores sentem que falta), mas eu expliquei a ele que se eu o fizesse, ficaria um retalho óbvio, seria outra pessoa escrevendo, e preferimos então manter o texto de uma década antes. Afinal, naquele meio tempo, eu tinha escrito três livros, dois roteiros de longa pra cinema e trabalhado como redator publicitário por anos, então não tinha como não ter mudado meu estilo. Então, apesar das deficiências técnicas do "Todas", valeu muito a pena publicá-lo, pois ele tem esse trunfo único de falar de igual pra igual com os adolescentes, e isso foi até bom, pois me trouxe leitores que de outra forma eu não atingiria. Mas claro que esse leitores estão crescendo e esperam que eu cresça junto. Na verdade, quando leio "Três Céus", percebo que tudo aquilo que fiz naturalmente no "Todas", agora foi mais calculado. A tensão e a serenidade, os choros e risos, as críticas e reflexões. Tudo está ali de propósito, e não meio sem querer, como era eu escrevendo aos 18, 19 anos. Acho que os leitores notarão em comum a originalidade dos temas e a riqueza dos cenários, mas a escrita está sim bem mais habilidosa, e dá pra notar um pouco dessa evolução mesmo entre o início do livro e o final. E só melhora, pois acho que todo autor tem que viver em função de se superar para seus leitores. Se eu não acho que meu novo livro é melhor que o anterior, não faz sentido escrevê-lo. Então, garanto a vocês que meu livro seguinte, depois de "Três Céus", será ainda melhor, e escrito em primeira pessoa! Está sendo um desafio enorme, mas estou gostando muito do resultado! Um grande beijo pra vcs todos (as) e muito obrigado pelo carinho! Nos vemos na Bienal de SP, no estande da Gutenberg!

Pah disse...

Oi Rapha, tudo bem?

A capa desse livro é tão lindo. Esse tema é mega polêmico, nunca li nada sobre esse assunto, mas acredito que deva ser de quebrar preconceitos mesmo. Concordo com você, a gente não escolhe quem amar. Entendo o parecer do autor, acho que a gente amadurece como escritor, e imagino que ele tenha visto isso.

Beijos

Pah, Livros & Fuxicos

Paloma (blog AP) disse...

Fiquei com uma dúvida depois de ler sua resenha, Rapha: de que ano é o livro? Também não sei se fico muito confortável com a história, afinal de contas, quem é criado como irmão, irmão é. Eu acho que daí para o amor entre irmãos de sangue, se tem diferença, é muito pouca. Mas, também, incesto não é coisa completamente nova na literatura, né. Apesar disso, o livro pareceu uma graça.

Gostei muito da resenha. Beijos,
Paloma - blog ap

Hangover at 16 (contato) disse...

Aaah, mesmo com o que voce comentou, eu tenho bastante curiosidade pra ler esse livro ja faz um bom tempo, a historia me parece diferente e bem cativante

xx carol

Sofia disse...

Ah, que legal! A escrita (sem ofensa) deve ter amadurecido bastante! Afinal, deve existir um preconceito enorme com essa questão de amor entre irmão e irmã... A história é bem diferente mesmo! hehe

Sua resenha está ótima!! :D viu?

Beijoss

Lendo de Tudo

. pamela moreno santiago disse...

Bom dia.

Vim hoje divulgar um projeto de resenhas literárias, o qual mais duas pessoas participam, colaborando com diversas opiniões e visões de diferentes estilos literários.
Se quiser ir fazer uma visitinha e seguir, eu agradeço:

http://oleitor2.blogspot.com

Obrigada e espero você lá,

Pamela.

NATY disse...

Não sabia que o livro Todas as Estrelas do Céu tinha uma história assim, de 'romance' entre irmãos. Já li Amor no Ninho e adorei a história :D

Esse parece ser um livro legal de se ler. Adorei a resenha!

Bj;*
Naty.

Livros e Tsurus disse...

Oi Raphinha! ^.^
Esse livro tá na minha lista faaaaaz tempo.
Acho a capa tão simples e ao mesmo tempo tão linda!!
Essa sinopse me deixou tão curiosa... Acho que ainda não li nenhum livro com esse tema!
Embora você tenha dito que a linguagem é mais simples e seja um livro pra 13-14 anos e eu já passei dessa fase =P Quero ler!!!


Beijinhos
http://livrosetsurus.blogspot.com

Lis disse...

Oi flor!!!
Adorei sua resenha, este livro é lindo, e com uma narrativa simples que faz a leitura correr.
Lembro que na época eu fiquei com o pé atrás para comprar ele devido a essa relação de irmãos, mas como vc disse, é a visão do amor por outro ângulo.

Beijos
Lis - Batalha Literária

Postar um comentário

Olá, muito obrigada pela visita!
Aproveite e deixe sua opinião a respeito do post, vou adorar! ;)

Para que eu possa responder seu comentário, deixe seu twitter, facebook, e-mail, ou qualquer outra forma de contato rsrs :D

Beijos e volte sempre :*