[Resenha] Apátrida, Ana Paula Bergamasco

13 comentário(s)
Autora: Ana Paula Bergamasco
Editora: Todas as Falas
ISBN: 9788599721148
Nº de Páginas: 338
Adicione no Skoob: aqui.

Sinopse: Uma pequena vila na Polônia. Uma menina repleta de vida. Um encontro. Vidas Ceifadas. Sonhos Destruídos. Infâncias Roubadas. As recordações da personagem Irena amarram o leitor na História do Século XX. Baseado no estudo dos fatos que marcaram a época, o palco da narrativa é a conturbada Europa pós Primeira Guerra Mundial, culminando com a eclosão da Segunda Grande Guerra e a destruição que ela provocou na vida de milhões de pessoas. A narradora conduz a exposição em primeira pessoa, e remete o leitor a enxergar, através de seus olhos, o cotidiano a que ficou submetida. É um relato humano, sincero e envolvente que revela a passagem da vida infantil feliz da menina, para o tumulto da existência adulta, cheia de contradições.


O que dizer de um livro tão arrebatador? É difícil escolher as palavras certas na tentativa de demonstrar um pouco do que senti ao ler apátrida.

O livro gira em torno da estória de vida da, inicialmente polonesa, Irena, uma mulher, que em sua divertida e inocente infância jamais imaginou que vivenciaria tão de perto o terror da Segunda Guerra Mundial, muito menos que sua família, seus amigos, o seu povo seria cruelmente atacado. Porém mais do que nos contar uma estória triste, a escritora Ana Paula nos desperta para a enorme crueldade que o homem é capaz de fazer, muitas vezes por ego, por maldade ou simplesmente para sentir-se superior, quando na verdade é a pior das espécies.

“A nossa forma de “inteligência” fez com que nos transformássemos em predadores. Algozes de nós mesmos. Ainda não consigo entender o grau de loucura com que uma pessoa se reveste para, seguindo ordens de superiores, matar seu igual ou atentar contra vida de alguém, não importa o quanto este outro seja diferente. Autodefesa? Duvido. A Maioria das guerras foram decididas por interesses econômicos. Então, quando há o primeiro ferido e a primeira morte, não importa se de um soldado ou de um civil, as partes envolvidas se tornaram perdedoras. A vida tem um preço inestimável, imensurável. Nada justifica a sua perda. Desse modo, desconheço qualquer vencedor da Segunda Grande Guerra. Todos tiveram baixas. Todos sofreram muito.”

Eu já tinha lido outros livros que traziam como tema a guerra, mas nada se compara a Apátrida, este livro retrata tão densamente cenas possivelmente cotidianas em uma guerra, que você é tomado por uma enorme sensação de angustia, porémo sentimento que prevalece durante toda a leitura é o de Impotência. O tempo todo atrocidades são cometidas – doentes e idosos são massacrados, civis escravizados tendo de ajudar seu “inimigo” a troco de migalhas ou de não ser fuzilado, crianças servindo de experimentos, e muitos outros atos.

Acredito que o pior de tudo é saber que o livro é baseado em fatos reais. Mesmo que Irena seja apenas uma personagem criada, milhares (ou milhões, não sei) de pessoas passaram pelo trauma da guerra, as que não pagaram com a vida perderam familiares, amigos, o sonho... Aliás, ainda hoje, século XXI há guerra, e só de imaginar que do outro lado do mundo alguém pode estar passando pelo que Irena passou, meus olhos se enchem de lágrimas, e a angustia e, principalmente, a impotência tomam conta de mim novamente.

Para quem quiser perceber o grande valor que a vida tem, LEIAM APÁTRIDA, eu mais que recomendo!!!

Este livro faz parte do Book Tour:

13 comentários:

Hannah Monise disse...

Nossa, que lindo, Rapha! *-* Você escreveu a resenha de um jeito que me fez emocionar. É interessante saber sobre essas coisas, apesar de tudo, sabe? E esse livro parece realmente ser lindo e fazer chorar bastante. Vou procurar pra poder comprar quando puder... Mas este é um dos livros que vão estar no topo da minha lista de compras. Realmente, parabéns por uma resenha que talvez tenha feito eu sentir um pouco o que você sentiu no livro.
Beijão
http://secretsofbook.blogspot.com

Vanessa Vieira disse...

Parabéns pela resenha Rapha! Já li Apátrida e amei! Chorei litros com esse livro. Beijos!

Juan disse...

Gosto de livros com esse tipo de abordagem, li o Pianista e achei o livro excelente. li algumas resenhas acerca de Apatrida e estou curioso com esse livro. Boa resenha!

http://sempre-lendo.blogspot.com/

Abraços
Juan

Rosane Fantin disse...

Oi, Rapha! Bela resenha! Há poucos meses li o livro A Menina que Roubava Livros, que tem temática semelhante à Apátrida. Gosto muito de livros sobre a segunda guerra. Eles lembram de como o ser humano pode ser terrível ao subjugar e destruir seus iguais em nome de ideais na maioria das vezes irracionais. O livro da Ana parece ser muito interessante.
Beijos!
Rosane
http://romancesaovento.blogspot.com

Ann Gominho disse...

Estou no BT desse livro e mal posso esperar para lê-lo.
Por isso, acabei pulando algumas partes da sua resenha, estou evitando spoillers... rsrs

Beijos
Ann G .:. anngominho.blogspot.com

Vivi disse...

Comecei a ler este livro na fase errada da minha vida. Todo mundo fala tão bem, que não é possível que eu seja a única pessoa da face da terra que não conseguiu passar da página 30, juro, eu dormia lendo o livro, mas não desisti da leitura, só deixei para o futuro.
Adorei a resenha.

Beijocas

Paola Patricio disse...

Estou esperando para ler esse livro pelo BT do Selo!!
Parece ser muito interessante.

Gostei muito da resenha.
Beijos

Fábrica dos Convites disse...

Oi Rapha, este livro já me encanta pela capa, é um dos muitos que eu quero ler. Bjs, Rose.

Kel Costa disse...

Caramba, esse livro marcou muito. Arrasou com minha vida na época rs. Pq eu fiquei depressiva, chorava e mesmo depois que terminei a leitura, só conseguia pensar na história.

Acho que é o tipo de leitura que todo mundo um dia deve fazer. É incrível, emocionante, avassalador. Perfeito. Sem dúvida um dos melhores livros que já li durante meus 28 anos.

Bjs,
Kel
www.itcultura.com

Raphaela disse...

Rapha,

eu li esse livro por BT tbm e depois eu comprei quando a Ana esteve aqui em Brasilia pra pegar autografado.

Eu concordo exatamente com tudo que vc falou. O sentimento de impotencia que eu sentia enquano lia o livro é terrivel. Eu queria poder mudar tudo, desfazer tudo, reescrever uam nova historia, mas é impossivel. E mesmo com toda a trsiteza, é uma historia bellissima, escrita com uma qualidade invejavel e que eu acho que todos devem ter na estante.

Beijokas!

Pah disse...

Oi Rapha, tudo bem?

Primeiro que lindo que o blog tá, adorei!
Ah eu to lendo esse livro, e já nas primeiras páginas me emocionei, o livro parece ser bem intenso, vou ver se o termino logo!

Bjus

Pah, Livros & Fuxicos

This Gomez disse...

Menina, que resenha é esta!! Perfeita <3
Eu tenho muita vontade de ler APÁTRIDA, Ana é uma pessoa super simpática, e espero ter condições de ter o meu exemplar logo em mãos ^^
Perfeito, o blog de cara nova, Rapha *.* LIndo o//

Beijos!!

This
Steampink
Canto e Conto

Rapha disse...

Ai gente, que bom que consegui expressar pelo menos um pouco do que senti!
O livro é mto denso, profundo, mto dificil falar sobre ele, só lendo para entender rsrs

Beeeijocas!

Postar um comentário

Olá, muito obrigada pela visita!
Aproveite e deixe sua opinião a respeito do post, vou adorar! ;)

Para que eu possa responder seu comentário, deixe seu twitter, facebook, e-mail, ou qualquer outra forma de contato rsrs :D

Beijos e volte sempre :*